Tratamento por ondas de choque

Trata-se de uma alternativa de tratamento cada vez mais utilizado pela sua grande eficácia em patologias músculo-esqueléticas sub-agudas e crônicas, e também por ser um procedimento não cirúrgico.

 

O tratamento é utilizado para o alívio da dor, cicatrização e cura de lesões do aparelho locomotor, possibilitando a melhora da mobilidade do paciente tratado.

 

Ao contrário do que muitos imaginam, o tratamento por ondas de choque não consiste na aplicação de choques elétricos sobre determinada região do corpo. Trata-se de um “choque mecânico” por uma onda acústica, decorrente da energia transmitida através de um aparelho direcionado à área da lesão a ser tratada. Tal energia promove a regeneração e processos reparadores de ossos, tendões, músculos e outras estruturas do aparelho locomotor.

 

Principais indicações:

 

- Síndrome dolorosa miofascial/ pontos gatilhos;

- Fasciíte (fascite ou fasceíte) plantar;

- Tendinopatia do supra-espinhoso/ tendinite calcárea;

- Epicondilite lateral (cotovelo do tenista).

 

 

Efeitos biológicos do Tratamento por Ondas de Choque:

 

- Formação de novos vasos sanguíneos, aumentando a oferta de nutrientes e oxigênio às estruturas tratadas;

- Reversão da inflamação crônica, ativando vias inflamatórias efetivas para o re-estabelecimento correto do processo cicatricial;

- Estimulação à produção de colágeno;

- Dissolução de calcificações nos tendões;

- Redução local da substância P, um importante transmissor da mensagem dolorosa para o sistema nervoso central;

- Bloqueio de pontos gatilhos pelo processo metabólico de desbloqueio de bombas de cálcio nos sacômeros.

 

Após a consulta de avaliação e eventual decisão pelo tratamento por ondas de choque, são necessárias entre 3-5 sessões com duração de 15-30 minutos.

Síndrome dolorosa miofascial/ pontos gatilhos

Dores musculares são bastante frequentes, podendo estar relacionadas a algum trauma local, esforço repetitivo ou manutenção de posicionamento inadequado durante muitas horas ao dia.

 

Muito comum em dores lombares (lombalgias), cervicais (cervicalgias), ombro e quadril, os chamados Pontos Gatilhos são identificados em regiões específicas do músculo durante a avaliação e podem estar associados à Síndrome Dolorosa Miofascial.

 

Os principais tratamentos para a Síndrome Dolorosa Miofascial são:

 

- Fisioterapia (ex.: analgesia com meios físicos, alongamento, fortalecimento);

- Medicamentoso (analgésicos e relaxantes musculares);

- Agulhamento seco/ bloqueio de pontos gatilhos;

- Tratamento por ondas de choque (TOC).

 

Tão importante quanto o tratamento é a identificação de fatores “perpetuantes” da dor miofascial, que podem ser desde um calçado inadequado, ergonomia incorreta em cadeira de trabalho ou algum exercício realizado de forma inadequada em academia. A manutenção de fatores perpetuantes da dor miofascial faz com que o tratamento tenha eficácia reduzida e ocorra a recorrência das queixas em curto período de tempo.

Get a Quote

This is a Paragraph. Click on "Edit Text" or double click on the text box to start editing the content.

Thanks for submitting!

SERVIÇOS

I'm a paragraph. Click here to add your own text and edit me. It’s easy. Just click “Edit Text” or double click me to add your own content and make changes to the font. Feel free to drag and drop me anywhere you like on your page. I’m a great place for you to tell a story and let your users know a little more about you.

SERVIÇOS

I'm a paragraph. Click here to add your own text and edit me. It’s easy. Just click “Edit Text” or double click me to add your own content and make changes to the font. Feel free to drag and drop me anywhere you like on your page. I’m a great place for you to tell a story and let your users know a little more about you.

SERVIÇOS

I'm a paragraph. Click here to add your own text and edit me. It’s easy. Just click “Edit Text” or double click me to add your own content and make changes to the font. Feel free to drag and drop me anywhere you like on your page. I’m a great place for you to tell a story and let your users know a little more about you.

Fasciíte (fascite ou fasceíte) plantar

A sobrecarga na planta dos pés é a causa mais comum dessa patologia, que pode estar associada à movimentos (ex.: corrida, caminhada) ou posturas (ex.: ficar em pé) mantidos durante de forma repetitiva ou longos períodos de tempo.

 

A dor característica é localizada na planta do pé, próximo ao calcanhar. Alguns pacientes relatam sensação de pontadas e eventualmente queimação nessa região. A dor mais intensa costuma ocorrer quando o paciente levanta-se da cama pela manhã ou ao levantar-se após longo períodos sentado.

 

Existem diversas medidas e modalidades de tratamento para fasciíte plantar, entre elas:

 

- Alongamentos e compressas (gelo);

- Fisioterpia;

- Infiltração “local “com corticóide (guiado por ultrassonografia);

- Tratamento por ondas de choque (TOC).

 

Também é muito importante uma avaliação do formato do pé do paciente com fasciíte plantar, sendo em alguns casos necessária a troca po calçados e/ ou palmilhas específicas.

Tendinopatia do supra-espinhoso/ tendinite calcárea

O ombro é considerado uma das articulações com maior amplitude em nosso corpo, permitindo a movimentação em praticamente todas as direções.  Com exceção do quadril, a maior parte das articulações do nosso corpo realiza movimentos em apenas uma direção. Por outro lado, tais vantagens biomecânicas dependem de estruturas anatômicas capazes de “ancorar”/ “estabilizar” essa articulação.  Para a estabilização dessa articulação, nossa anatomia conta com diversos ligamentos (compostos por tecido conjuntivo de colágeno) e músculos, sendo o chamado Manguito Rotador o grupo muscular mais importante.

 

Com o passar dos anos, as fibras de colágeno existentes nos ligamentos se tornam “menos competentes” para a atividade de estabilização da articulação do ombro, devendo essa função ser “compensada” pelos músculos do Manguito Rotador, que por sua vez também perdem força muscular devido o processo de “sarcopenia” que ocorre principalmente após a 4a década de vida. Por isso, é muito importante a avaliação de um profissional para uma correta reabilitação/ treino de fortalecimento muscular.

 

Atividades repetitivas e/ou alterações biomecânicas do ombro estão entre as principais causas de dor e lesão em estruturas do ombro, sendo a tendinopatia do músculo supra-espinhoso a mais comum delas, podendo levar a calcificações (tendinopatia calcárea) em casos mais crônicos.

 

 

Os principais tratamentos para tendinopatias do manguito rotador são:

 

- Fisioterapia;

- Atividade física supervisionada por um profissional especializado;

- Infiltrações intra-articulares, em “Bursa”ou ao redor dos tendões;

- Tratamento por ondas de choque (TOC);

- Tratamento cirúrgico.

A escolha e a progressão do tratamento é realizado de forma individualizada, considerando as respostas, limitações e objetivos de cada paciente.

Epicondilite lateral (cotovelo do tenista)

Bastante comum em praticantes de esporte com raquete, a epicondilite lateral é uma inflamação na inserção proximal da superfície óssea (epicôndilo lateral do úmero) com os músculos extensores de punho e dedos. Conhecida como cotovelo do tenista, pode também acometer praticantes de academia, levantadores de peso e profissionais com atividades manuais repetitivas.

 

No início dos sintomas (dor em região lateral do cotovelo), é recomendada a realização de compressa com gelo local e repouso das atividades que deflagram a dor. O uso de analgésicos e anti-inflamatórios pode ser considerado nessa fase inicial.

 

Em casos crônicos, devem ser considerados os seguintes tratamentos:

 

- Fisioterapia;

- Infiltração com corticoide e/ou ácido hialurônico;

- Tratamento por ondas de choque (TOC);

- Tratamento cirúrgico.

whatsapp-botão.png